Preconceito de cor e racismo no Brasil1

1



RESUMO
O autor analisa a formação do campo temático dos estudos de relações raciais, no Brasil dos anos 1940, e sua posterior superação pelos estudos de identidade racial e racismo, nos anos 1970, buscando precisar a história dos significados teóricos de dois conceitos: preconceito de cor e racismo. Retroagindo ao final do século XIX, o autor argumenta que o racialismo dogmático de então foi desbancado pelo culturalismo do começo do século XX, apenas para ceder lugar à imprecisão entre a expressão nativa "preconceito de cor" e "preconceito racial", esta última introduzida pelo paradigma das relações raciais, gerado pela Escola de Chicago. Com a superação deste, nos anos 1970, e sua substituição por paradigmas que utilizam quase exclusivamente a análise estrutural e institucional, o conceito de racismo passou a denominar de maneira imprecisa todas as dimensões da vida social e da interação entre "brancos" e "negros". O autor sugere que apenas um retorno à separação analítica das diversas formas de interação e dimensões da vida social pode restituir a esse campo disciplinar a riqueza que teve nos primórdios das ciências sociais.
Palavras-chave: racismo, preconceito de cor, preconceito racial, relações raciais.

ABSTRACT
Using the historical contextualization of two key concepts in Brazilian studies of race (color prejudice and racism), the author analyses the formation of the scientific field of race relations studies in Brazil in the 1940s and its posterior replacement for structural and institutional analysis of racism after 1970. He argues that the race relations paradigm represented a step forward from both nineteenth century racialism and early twentieth century culturalism in the precise sense that it permitted an acute analysis of the social interaction between blacks and whites in different social spheres. The increasing political tensions of the field, as well as some of its theoretical pitfalls, conducted however to its substitution for the structural analysis of racism in the late 1970s. The author suggests that this structural analysis blurs different dimensions of social life and loses its virtues unless it is complemented by precise analytical studies of black and white interaction in the diverse spheres of life.
Key words: color prejudice, race prejudice, racism, race relations.

Postagens mais visitadas