Pular para o conteúdo principal

Homofobia

homofobia designa um tipo de preconceito em relação às pessoas que possuem relações homo afetivas, sejam entre homens ou mulheres. Do grego, a palavra homofobia é formado pelos termos “homo” (semelhante, igual) e “fobia” (medo, aversão), que significa aversão às relações semelhantes.
Dessa maneira, podemos concluir que a homofobia corresponde a qualquer ato ou manifestação de ódio, aversão, repulsa, rejeição ou medo (muitas vezes irracional) contra os homossexuais, gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais, o que tem levado a muitos tipos de violência, seja social, psicológica ou física.

História

O termo Homofobia foi empregado pela primeira vez em 1971, pelo psicólogo nova-iorquino George Weinberg em sua obra intitulada “Sociedade e a Saúde Homossexual” (1972), na qual afirma que as pessoas que alimentam a homofobia possuem problemas psicológicos, propondo, dentre outras medidas, a retirada do termo “homossexualidade” da lista de doenças.
Sem espanto, nas civilizações antigas de Grécia e Roma, a homossexualidade era praticada por muitos e vista de forma natural. Entretanto, as religiões judaico-cristãs foram as propulsoras e propagadoras da intolerância contra os homossexuais relações consideradas atos de perversão o que levou a inúmeras mortes, amputações, castrações, multas, e ainda, diversas torturas psicológicas e físicas.
Esses ideais preconceituosos (homofobia) foram alimentados durante muitos séculos, os quais, mais tarde, a homossexualidade passa a ser considerada uma patologia, doença mental, problema genético e uma aberração. Nesse contexto, muitos homossexuais foram forçados a inúmeros procedimentos, bem como viverem nas clínicas psiquiátricas, os quais eram considerados perigos para a sociedade.
No entanto, essa situação desumana começa a mudar de panorama a partir da década de 80, com a descriminalização da homossexualidade por diversos países do mundo. Já na década seguinte, a Organização de Saúde retira a homossexualidade da lista de doenças mentais.
Estudos atuais sobre a formação da identidade homossexual, determinam duas vertentes de pesquisas: fatores biológicos ou fatores sociais; embora ainda seja um enigma para a sociedade a atração entre indivíduos do mesmo gênero, o qual levanta questões tais como: a homossexualidade é genética ou inata? A escolha sexual depende de fatores culturais e sociais? Todos os seres humanos são potencialmente bissexuais ou possuem alguma tendência homossexual ou heterossexual?
Destarte, hoje em dia o tema homofobia tem demostrado a importância de traçar ações de conscientização, punição e, sobretudo, do esclarecimento de diversas dúvidas sobre o assunto, visto o aumento da violência causadas principalmente pela ignorância e/ou intolerância de muitas pessoas que participam de grupos culturais e sociais com ideais racistas, além de muitas religiões que compartilham esse tipo de preconceito.
Para saber mais: Homossexualidade

Homofobia no Mundo

Alguns países da África e Ásia, o tema da homossexualidade está longe de ser tratado com naturalidade, de maneira que cerca de 80 países a relação homossexual é considerada crime e, nos casos mais extremos, levados à prisão perpétua ou pena de morte (cerca de 7 países); em detrimento de 113 países que autorizam a homossexualidade. Essas leis homofóbicas fazem parte do código de diversos países como: Irã, Arábia Saudita, Afeganistão, Mauritânia, Sudão, Nigéria, Uganda, Iémen, Paquistão, Líbano, Emirados Árabes, Indonésia, Egito, Zâmbia, Rússia, dentre outros.
Se por um lado nota-se a intolerância extrema por esse tipo de relação, outras nações do mundo se demonstram a frente dos preconceitos de forma que a partir de 2001, ficou estabelecido a legalização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo nos seguintes países: África do Sul, Portugal, Espanha, Países Baixos, Bélgica, Nova Zelândia, Noruega, Islândia, Suécia, Canadá, Argentina e o Reino Unido. Dessa maneira, estudos apontam que a Europa é um dos continentes do mundo onde os direitos dos homossexuais são mais reconhecidos e atendidos.
Segundo pesquisas recentes, os países do ocidente (europeus, anglófonos e latinos) são apontados como os que aceitam melhor a homossexualidade (Espanha e Alemanha, as primeiras da lista); e os países muçulmanos e da África subsaariana são os menos tolerantes com os temas da homossexualidade.

Homofobia no Brasil

No caso brasileiro, as uniões civis, desde maio de 2011 são permitidas por lei, com direitos similares aos casais heterossexuais. Contudo, pesquisas recentes apontam para o Brasil como um dos países mais homofóbicos do mundo, as quais, levam em consideração, os ataques violentos aos homossexuais.
Diante disso, é válido notar que movimentos sociais dessa parcela de cidadãos, tais quais a “Parada Gay”, tem demostrado que esse tipo de evento pretende denunciar violências contra esse grupo, ao mesmo tempo que busca revelar para a população a existência das violações dos Direitos Humanos.
Dessa forma, o grupo LGBT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais), que cresce a cada ano, lutam por reivindicações legítimas de reconhecimento da sociedade e regulação da Legislação de Políticas Públicas, como a criação de leis para a comunidade LGBT, a fim de oferecer a cidadania plena para todos os cidadãos.
Por fim, o Projeto de Lei da Câmara n.º 122/06, conhecido como PLC 122, visa incluir a homofobia no artigo sobre racismo, ao mesmo tempo que propõe alterar a lei 7.716, criminalizando atos homofóbicos.
Para saber mais: Racismo no Brasil

Curiosidades

  • O termo de origem inglesa “Gay” que significa literalmente “alegre”, era inicialmente utilizado para designar homens que se relacionavam com outros, entretanto, o termo tomou uma dimensão maior, de forma que hoje abrange os dois gêneros: homens e mulheres.
  • O "Dia Mundial contra a Homofobia" é comemorado dia 17 de maio.

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto De Intervenção Social Sobre Deficientes Fisicos artigos e trabalhos de pesquisa Projeto de Intervenção

Trabalhos Feitos - Trabalhos Premium e Grátis, Monogra Projeto de Intervenção  Curso de Serviço Social – EAD Projeto de Intervenção Cuidados básicos para pessoas comdeficiência em escolas de educação especial Novo Hamburgo 2013 Projeto de Intervenção do Estágio Supervisionado II do 6º Semestre do Curso de Serviço Social, em atendimento às demandas que se fazem necessárias, a partir da vivência no campo de estágio, apresentado à Universidade Paulista - UNIP. ... 923  Palavras | 4  Páginas LER DOCUMENTO COMPLETO

As regras oficiais do volei sentado

Vôlei Sentado
Como é disputado
A disputa é muito semelhante com a do vôlei convencional. Seis jogadores de cada equipe ficam em quadra e o jogo é dividido em cinco sets (quatro de 25 pontos e um tie-break de 15 pontos). Ganha a partida a equipe que vencer três sets. Com relação aos atletas, o contato com o chão deve ser mantido em toda e qualquer ação, sendo permitido perdê-lo somente nos deslocamentos.
A quadra mede 10m de comprimento por 6m de largura. A altura da rede é de 1,15m no masculino e 1,05m no feminino.
Os jogadores do vôlei sentado são classificados em duas classes: elegíveis e mínima elegibilidade. Na primeira, estão aqueles com amputações e com problemas locomotores mais acentuados. Na mínima elegibilidade, os atletas tem deficiências quase imperceptíveis, como problemas de articulação leves ou pequenas amputações nos membros. Cada equipe só pode contar dois jogadores de mínima elegibilidade, e os dois não podem estar em quadra ao mesmo tempo. Ou seja, enquanto um deles…

A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade

Maria Aparecida Gugel* Os estudos sobre o direito das pessoas com deficiência não estão dissociados dos fatos históricos, reveladores que são da evolução da sociedade e da conseqüente edição de suas leis. Por isso, antes da apresentação dos direitos da pessoa com deficiência, faremos uma brevíssima incursão histórica para melhor compreender esse indivíduo no cenário histórico da nossa civilização. 1. A vida primitiva do homem Não se têm indícios de como os primeiros grupos de humanos na Terra se comportavam em relação às pessoas com deficiência. Tudo indica que essas pessoas não sobreviviam ao ambiente hostil da Terra. Basta lembrar que não havia abrigo satisfatório para dias e noites de frio intenso e calor insuportável; não havia comida em abundância, era preciso ir à caça para garantir o alimento diário e, ao mesmo tempo, guardá-lo para o longo inverno.
Não se plantava para o sustento. A caça para a obtenção de alimentos e pele de animais para se aquecer e a colheita de frutos, fol…