Pular para o conteúdo principal

HISTÓRIA LINDA

Oi! Eu sou a Naiane, tenho Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 3 e quero contar como foi a chegada do meu filho...
Enzo nasceu com 34 semanas, no dia 18/01/2016 às 9:05 da manhã depois de passar 2h esperando no centro cirúrgico o médico assistente chegar. Sinceramente, foi a pior sensação durante toda a gravidez, era uma mistura de medo, de angustia pois sabia que a anestesia seria geral e pra piorar, uma anestesista veio falar que aquele não era momento para ter medo, medo eu deveria sentir antes de engravidar...
Ela me anestesiou, apaguei com todos os meus medos, chorando e olhando para o meu marido. Quando voltei da anestesia foi bem pior e ela, a anestesista, ainda estava lá criando mais traumas, enfim... Com muita sorte eu estava lá e doida para ver meu filho, só pensava no Enzo, em como ele era, o seu cheiro, seu choro, tudo, queria conhecer cada detalhe do meu bebê imaginário que agora era real.
Só depois de 1h me deixaram ver ele. Enzo estava naquele berço, ele era tão pequeno que mesmo o berço sendo mínimo, tornava-se enorme pra ele. Fui para o quarto e esperei algumas horas até que o levassem pra mim e eu finalmente pudesse amamenta-lo, era a coisa que eu mais desejava, poder começar a me vincular logo com meu pequeno.
Confesso que foi difícil enfrentar a primeira semana, Enzo com icterícia, eu exausta e com dores, meu peito todo machucado. Tinha horas que queria sair correndo, mas ai olhava pro meu pequeno e passava.
Os meses seguintes foram um inferno, confesso. Amava amamentar, estar com meu filho mas estava incrivelmente cansada e triste por toda pressão para dar formula, água, chás, chupeta, a única pessoa que não me bombardeava era a minha Gi, meu anjo em forma de prima que estava sempre lá desde que o Enzo estava na barriga.
Não tive apoio de ninguém além dela, afinal ouvir um bebê chorando toda hora (Enzo mamava a cada 2h e passava 1h mamando) é complicado eu sei, mas quem deveria reclamar era eu, mas jamais reclamei, só pedia para me sentarem e colocar ele que eu ficava ali o quanto ele quisesse. Mas sentia que ninguém quer ter trabalho e me sentar e colocar o Enzo e tentar acalma-lo era uma tarefa “muito difícil”, pq ninguém, além de mim e da Gi, queria faze-la.
E assim foi por 3 meses, até que a médica do Enzo deu a deixa que todos queriam, “Você está visivelmente exausta, mãezinha. Por que não dá formula para o Enzo? Ao menos a noite para você dormir?” Eu disse que não precisava, que eu estava bem e que queria amamentar, mas infelizmente minha mãe estava lá e repassou pra minha sogra e meu marido, a partir daí o inferno só aumentou até Enzo desmamar.
Confesso que nunca me incomodou tanto ter AME, como depois que o Enzo nasceu, todo mundo tenta tirar minha autoridade sobre o meu filho todos os dias, acham que por me ajudarem a cuidar dele, têm o direito de decidir por mim o que é, ou não é, bom para o meu filho.
Tive depressão, ainda me trato na verdade, tive crises de ansiedade de chorar descontroladamente no meio da universidade, de não conseguir respirar... Enfim... fiquei no inferno por muito tempo e graças a Deus a Gi estava lá.
Depois de ver minha tristeza e meu estado, meu marido resolveu ficar ao meu lado mas já era tarde, Enzo já tinha desmamado e eu já estava lá cheia de traumas, Enzo não mama mais e confesso que cada vez que vejo alguém amamentando fico triste.
Ser mãe com AME é ter que brigar todo dia com seus familiares para provar que é capaz e mesmo assim eles não te enxergam, ser mãe com AME é ter que sair com seu filho e ninguém acreditar que ele é seu por causa da bendita cadeira de rodas e da limitação de movimentos.
Mas deixa eu falar uma coisa para essas pessoas que querem tirar a nossa autoridade: EU SOU MULHER, MÃE, ESTUDANTE, ESPOSA, EU SOU TUDO O QUE EU QUISER, PORQUE EU ACREDITO EM MIM, EU ACREDITO NO MEU POTENCIAL, EU NÃO PRECISO CAMINHAR E TER FORÇA PRA FAZER TUDO SÓ PARA SER O QUE EU QUISER. EU SÓ PRECISO ACREDITAR E NÃO TER VERGONHA DE PEDIR AJUDA, TODOS NÓS, SEM EXCEÇÃO, PRECISAMOS!
Enfim... eu estou aqui tentando ser mãe, tentando amar, cuidar, ouvir, respeitar e educar meu filho do meu jeito, adaptando as brincadeiras, o banho, transformando todos os cuidados para que eu consiga fazer. Eu amo meu filho, eu o respeito, cuido dele. Hoje ele é uma criança linda, de 1 ano e 3 meses!

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto De Intervenção Social Sobre Deficientes Fisicos artigos e trabalhos de pesquisa Projeto de Intervenção

Trabalhos Feitos - Trabalhos Premium e Grátis, Monogra Projeto de Intervenção  Curso de Serviço Social – EAD Projeto de Intervenção Cuidados básicos para pessoas comdeficiência em escolas de educação especial Novo Hamburgo 2013 Projeto de Intervenção do Estágio Supervisionado II do 6º Semestre do Curso de Serviço Social, em atendimento às demandas que se fazem necessárias, a partir da vivência no campo de estágio, apresentado à Universidade Paulista - UNIP. ... 923  Palavras | 4  Páginas LER DOCUMENTO COMPLETO

As regras oficiais do volei sentado

Vôlei Sentado
Como é disputado
A disputa é muito semelhante com a do vôlei convencional. Seis jogadores de cada equipe ficam em quadra e o jogo é dividido em cinco sets (quatro de 25 pontos e um tie-break de 15 pontos). Ganha a partida a equipe que vencer três sets. Com relação aos atletas, o contato com o chão deve ser mantido em toda e qualquer ação, sendo permitido perdê-lo somente nos deslocamentos.
A quadra mede 10m de comprimento por 6m de largura. A altura da rede é de 1,15m no masculino e 1,05m no feminino.
Os jogadores do vôlei sentado são classificados em duas classes: elegíveis e mínima elegibilidade. Na primeira, estão aqueles com amputações e com problemas locomotores mais acentuados. Na mínima elegibilidade, os atletas tem deficiências quase imperceptíveis, como problemas de articulação leves ou pequenas amputações nos membros. Cada equipe só pode contar dois jogadores de mínima elegibilidade, e os dois não podem estar em quadra ao mesmo tempo. Ou seja, enquanto um deles…

A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade

Maria Aparecida Gugel* Os estudos sobre o direito das pessoas com deficiência não estão dissociados dos fatos históricos, reveladores que são da evolução da sociedade e da conseqüente edição de suas leis. Por isso, antes da apresentação dos direitos da pessoa com deficiência, faremos uma brevíssima incursão histórica para melhor compreender esse indivíduo no cenário histórico da nossa civilização. 1. A vida primitiva do homem Não se têm indícios de como os primeiros grupos de humanos na Terra se comportavam em relação às pessoas com deficiência. Tudo indica que essas pessoas não sobreviviam ao ambiente hostil da Terra. Basta lembrar que não havia abrigo satisfatório para dias e noites de frio intenso e calor insuportável; não havia comida em abundância, era preciso ir à caça para garantir o alimento diário e, ao mesmo tempo, guardá-lo para o longo inverno.
Não se plantava para o sustento. A caça para a obtenção de alimentos e pele de animais para se aquecer e a colheita de frutos, fol…