Pular para o conteúdo principal

Era mais uma linda família...



41 kg, 9 anos de idade. 9 natais. 9 aniversários.
Não lembrava de sua mãe. Não lembrava de seu pai. Soube também que tinha irmãos.
Em algum lugar tinha irmãos.
Conhecera muitas famílias, teve esperança tantas vezes. Sonhava com um lar, uma mesa. Tinha bolinhos nessa mesa.
Vivia com mais 70.
70 crianças, adolescentes, sonhos. Sonhavam com um lar.
“Orfanato cantinho de amor” (nome fictício)
Eis que o grande dia chegou. 
Era exceção, já que nessa idade poucos ainda possuem "possibilidades" e esperança. (Não era recém-nascido e branco).
Conheceu primeiro sua mãe.
Amorosa e com largo sorriso doce, lhe deu um grande abraço e perguntou se queria ir para casa. Para seu lar.
Ele, com olhos marejados, não conseguia responder além de acenar com a cabeça. O sorriso era largo, mesmo com medo e desconfiança ainda presentes em seu olhar.
Em seguida conheceu sua outra mãe.
Igualmente amorosa e tão cheia de expectativas. Queria cuidar, amar, exercer toda sua ternura materna.
No próprio orfanato olhares atravessados eram registrados. No caminho para casa, na vizinhança e em familiares também.  
Não tinha como fugir dessas reações. Reações “padrão” de um mundo em que somos doutrinados assim. Reações “padrão” da ignorância “padrão” que NOS acomete.
O que fazer? Amar! Dar amor! Amar!
A realidade da vida vai tão além do que podemos enxergar, vai tão além dessa cortina de “conceitos” (tão embaçados) que nos recobre, que uma mesa com bolinhos pode ser uma grande lição. 
(Não precisa ir tão além - é aqui, é aí, É...)
Aos 17 anos de idade, eis aqueles olhinhos espantados, a serem registrados nas fotos da formatura no colegial. Olhinhos felizes.
Aliás, que registro: eram 6 olhos outrora tão ansiosos e tão repletos de amor.
 Era o trio cheio de orgulho e doçura a caminho da confraternização em família. 
(Confraternizações de família – sempre relembravam as peripécias que passaram e passam juntos...)
Era mais uma linda família.
O mascote se chamava Scooby (Marrom com manchinhas pretas)
Tanto amor, tanta realidade e humanidade que ofuscavam todo o mais. 

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto De Intervenção Social Sobre Deficientes Fisicos artigos e trabalhos de pesquisa Projeto de Intervenção

Trabalhos Feitos - Trabalhos Premium e Grátis, Monogra Projeto de Intervenção  Curso de Serviço Social – EAD Projeto de Intervenção Cuidados básicos para pessoas comdeficiência em escolas de educação especial Novo Hamburgo 2013 Projeto de Intervenção do Estágio Supervisionado II do 6º Semestre do Curso de Serviço Social, em atendimento às demandas que se fazem necessárias, a partir da vivência no campo de estágio, apresentado à Universidade Paulista - UNIP. ... 923  Palavras | 4  Páginas LER DOCUMENTO COMPLETO

As regras oficiais do volei sentado

Vôlei Sentado
Como é disputado
A disputa é muito semelhante com a do vôlei convencional. Seis jogadores de cada equipe ficam em quadra e o jogo é dividido em cinco sets (quatro de 25 pontos e um tie-break de 15 pontos). Ganha a partida a equipe que vencer três sets. Com relação aos atletas, o contato com o chão deve ser mantido em toda e qualquer ação, sendo permitido perdê-lo somente nos deslocamentos.
A quadra mede 10m de comprimento por 6m de largura. A altura da rede é de 1,15m no masculino e 1,05m no feminino.
Os jogadores do vôlei sentado são classificados em duas classes: elegíveis e mínima elegibilidade. Na primeira, estão aqueles com amputações e com problemas locomotores mais acentuados. Na mínima elegibilidade, os atletas tem deficiências quase imperceptíveis, como problemas de articulação leves ou pequenas amputações nos membros. Cada equipe só pode contar dois jogadores de mínima elegibilidade, e os dois não podem estar em quadra ao mesmo tempo. Ou seja, enquanto um deles…

A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade

Maria Aparecida Gugel* Os estudos sobre o direito das pessoas com deficiência não estão dissociados dos fatos históricos, reveladores que são da evolução da sociedade e da conseqüente edição de suas leis. Por isso, antes da apresentação dos direitos da pessoa com deficiência, faremos uma brevíssima incursão histórica para melhor compreender esse indivíduo no cenário histórico da nossa civilização. 1. A vida primitiva do homem Não se têm indícios de como os primeiros grupos de humanos na Terra se comportavam em relação às pessoas com deficiência. Tudo indica que essas pessoas não sobreviviam ao ambiente hostil da Terra. Basta lembrar que não havia abrigo satisfatório para dias e noites de frio intenso e calor insuportável; não havia comida em abundância, era preciso ir à caça para garantir o alimento diário e, ao mesmo tempo, guardá-lo para o longo inverno.
Não se plantava para o sustento. A caça para a obtenção de alimentos e pele de animais para se aquecer e a colheita de frutos, fol…