5 casos de racismo que chocaram o Brasil


Incidente mais atual ocorreu no último fim de semana em frente a uma loja da Animale, em São Paulo

São Paulo – Episódios de racismo são recorrentes no Brasil – alguns vêm à tona, mas a grande maioria não.  O caso mais recente aconteceu no último fim de semana, após um menino de 8 anos ser expulso da calçada de uma loja da grife Animale, na Rua Oscar Freire, em São Paulo, por uma funcionária do próprio estabelecimento.
O pai da criança, um americano erradicado no Brasil, Jonathan Duran, por meio de relato no Facebook, fez um desabafo afirmando que “em certos lugares em São Paulo, a pele do seu filho não pode ter a cor errada”.
PUBLICIDADE
Em nota, a Animale, por sua vez, disse que “repudia qualquer ato de discriminação e o evento está sendo apurado internamente”. Para Duran, o posicionamento chega a ser frustrante.
“A loja quer colocar toda a culpa na funcionária, dando a impressão que esse tipo de situação não acontece da porta para dentro”, afirmou o estrangeiro em entrevista à EXAME.com.
Segundo Duran, ele e sua família nunca havia vivido nada semelhante, por isso, em um primeiro momento, o choque com a situação foi inevitável. “Mas até esperávamos que um dia pudesse acontecer”, disse.
Processar a grife ainda não foi totalmente descartado por Duran, que na próxima semana encontrará representantes da marca para discutir  a situação. “A severidade da lei é até razoável neste tipo de situação no Brasil, mas dá trabalho e pode expor ainda mais a criança”, afirmou o americano. 
Para Duran, divulgar o fato é um de seus objetivos, uma vez que sua história pode servir como exemplo para que episódios como esse não voltem a acontecer.   Outros casos semelhantes também chocaram o país recentemente. Veja a seguir alguns deles:
Expulso de uma loja BMW
No início de 2013, por meio de uma denúncia feita no Facebook, um casal do Rio de Janeiro chamou a atenção do país após o filho, de 7 anos na época, negro e adotado, ter sido vítima de preconceito racial em uma concessionária da BMW.
O casal e o filho foram todos à loja Autokraft, na Barra da Tijuca, para olhar um automóvel. No local, o garoto ficou em um espaço separado assistindo a um desenho animado na televisão, enquanto eles foram encaminhados pela recepcionista ao gerente de vendas da loja.
A discriminação aconteceu quando o menino foi procurar os pais e se aproximou deles. Um gerente da loja se dirigiu a ele dizendo que não poderia ficar no local. “Aqui não é lugar para você. Saia da loja”,  teria dito o funcionário da concessionária ao garoto.
Indignados com a situação, os pais da criança criaram a página no Facebook  “Preconceito racial não é mal-entendido” e o episódio ganhou repercussão nacional. 
Após quase dois anos do ocorrido, o caso foi encerrado no ano passado e a concessionária da BMW Autokraft foi condenada por danos morais.
Caso do goleiro Aranha 
Um simples jogo de futebol pela Copa do Brasil, em agosto do ano passado, foi cenário para outro episódio de racismo. Depois de ver seu time perder por 2 a 0 do Santos, a gremista Patrícia Moreira da Silva foi flagrada por câmeras chamando Aranha, goleiro do time rival, de macaco. 
Patrícia não foi a única a ofender o goleiro, outros torcedores do Grêmio também o insultaram. Na época, Aranha chegou a declarar que ficou chateado com a situação. 
“Já estou dando o recado para ficarem espertos na próxima partida aqui. Tem leis sobre isso, existe campanha no futebol para combater isso, e a gente sabe que o torcedor usa de várias maneiras para desestabilizar o adversário. Dói muito, mas tive de fazer minha parte e reagir”, afirmou o goleiro, que pediu para um câmera filmar os insultos.
Depois de identificada, a torcedora do Grêmio foi ameaçada de morte e estupro e teve a casa apedrejada e queimada. Patrícia admitiu que insultou o jogador e viu seu time ser expulso da Copa do Brasil por ofensas racistas.
No futebol, não só no Brasil, mas em outras partes do mundo, é comum episódios de racismo.
Na última quarta-feira,  Elias, do Corinthians, bateu boca com Gonzalez, do time uruguaio Danubio, e saiu reclamando de racismo por parte do lateral do time adversário.
Também no ano passado, um caso envolvendo o brasileiro Daniel Alves ganhou repercussão por aqui. O jogador ironizou um ato racista comendo uma banana atirada no campo em uma partida entre Barcelona e Villarreal, depois que o atleta do time catalão virou a partida garantindo a vitória para o Barcelona. 
PM precisou se despir
Também no ano passado, Edson Lopes, um cabo da Polícia Militar, foi vítima de um episódio de racismo em um supermercado de Vitória, no Espírito Santo.
O policial afirmou na ocasião que foi obrigado a se despir para provar aos seguranças do estabelecimento que não estava roubando dois vinhos comprados minutos antes do ocorrido. 
Por ser negro e estar usando bermuda e chinelo, Lopes declarou na ocasião que os seguranças o confundiram com ladrão.
Australiana denunciada duplamente
Um ano atrás, uma australiana que vive no Brasil foi denunciada duplamente por racismo pelo Ministério Público do Distrito Federal. Louise Stephanie Garcia Gaunt teria se recusado a ser atendida por uma manicure negra em um salão de Brasília. 
A estrangeira também é investigada por destratar duas funcionárias terceirizadas da  Companhia Energética de Brasília (CEB), empresa onde a estrangeira trabalha. 
Louise ainda ironizou os episódios durante interrogatório alegando que teria sido criada em ambiente estrangeiro e não foi acostumada a ter relação com pessoas negras.

Postagens mais visitadas